Estamos argumentando seriamente, mas, se não quiserem conceder-me sua atenção, não hei de me humilhar. Tenho meu subsolo.
- Memórias do Subsolo
Dostoievski






Vídeo da vez...

 

Perdi-me muitas vezes pelo mar,
o ouvido cheio de flores recém-cortadas,
a língua cheia de amor e de agonia.
Muitas vezes perdi-me pelo mar,
como me perco no coração de alguns meninos.
Não há noite em que, ao dar um beijo,
não sinta o sorriso das pessoas sem rosto,
nem há ninguém que, ao tocar um recém-nascido,
se esqueça das imóveis caveiras de cavalo.
Porque as rosas buscam na frente
uma dura paisagem de osso
e as mãos do homem não têm mais sentido
senão imitar as raízes sob a terra.
Como me perco no coração de alguns meninos,
perdi-me muitas vezes pelo mar.
Ignorante da água vou buscando uma morte de luz que me consuma.

Federico Garcia Lorca

re-dor:

***

"Nada levarei quando morrer, aqueles que me devem, cobrarei no inferno!" Miguel Rio Branco.

Fonte: http://www.youtube.com/watch?v=UjMwMSGgsIA 

thatgiantdoodie:

MADRID—Backstage at a bullfight, 1995.
© Miguel Rio Branco / Magnum Photos

thatgiantdoodie:

MADRID—Backstage at a bullfight, 1995.

© Miguel Rio Branco / Magnum Photos

dirtylibrary:

Nancy follows her nose in attempts to solve a rather sticky, habit-forming mystery. 

dirtylibrary:

Nancy follows her nose in attempts to solve a rather sticky, habit-forming mystery.